Caos toma conta da Educação de São José de Ribamar

Do dia 01 de janeiro até a presente data, o prefeito Luís Fernando já recebeu mais de R$ 28 milhões do Fundeb – Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação –  para serem usados exclusivamente na Educação.

Lixo e esgoto ao lado de alunos virou marca registrada.

Alunos e professores da rede municipal de ensino do município de São José de Ribamar reclamam do caos instalado no município. De acordo com denúncia, desde o dia 01 de janeiro o prefeito Luís Fernando Moura da Silva (PSDB) mandou fechar 30 laboratórios de informática.

Segundo algumas diretoras que preferiram não se identificar com medo de perseguição, os laboratórios funcionavam normalmente e eram aprovados pelos alunos e pais dos alunos.

“O funcionário da Secretaria de Educação que veio lacrar o laboratório disse que era ordem do prefeito, pois ele não queria nenhum projeto da administração passada fazendo sucesso na gestão dele. Mandou fechar e disse que em breve irá reinaugurar com o nome que ele escolher, mas o problema é que por causa de divergência política, o prefeito tá prejudicando milhares de crianças, isso é um absurdo”. Disse uma diretora.

Na Escola do Miritiua, alunos reclamam que todos os dias são obrigados a conviver com esgoto estourado e muito lixo na porta, um verdadeiro desrespeito com os alunos.

Já os professores da rede municipal acumulam uma longa lista de reclamação, entre elas, a obrigação de aulas aos sábados.

“Assim que foi eleito, ele promoveu uma reunião com professores e o sindicato, e disse que era contra professor trabalhar aos sábados, até porque não é dia letivo e os professores excedem sua carga horária semanal, além do número de alunos que comparecem as aulas ser mínimo, entretanto, as aulas aos sábados foram incluídas no calendário letivo sem nenhuma negociação com os professores.” Queixou-se uma professora.

Outra reclamação é o programa Mais Educação, que em várias escolas serve apenas para garantir uma renda a mais aos familiares de diretores.

“O programa perdeu o sentido em muitas escolas. Sem nenhuma fiscalização séria, diretoras apresentam notas fiscais para justificar o gasto do recurso do Mais Educação. Pode visitar as escolas que você vai ver vinculo familiar de todos os prestadores de serviço com as diretoras. Pessoas sem nenhuma capacidade pedagógica, colocando em risco o aprendizado das crianças.” Denunciou a professora.

Fechamento de laboratórios, falta de infraestrutura e limpeza de escolas, desvalorização salarial, mudança do calendário de pagamento e até falta de professores integram a longa lista do caos que se instalou na educação do município.

Durante Planeja Educação, Luís Fernando teria prometido um mar de rosas.

“O mais engraçado é que ano passado o prefeito convidou a gente para um tal de Planeja Educação, lá, do jeito que ele falou, quando ele fosse prefeito novamente, tudo seria um mar de rosas, o que estamos vendo agora é um mar de espinhos.” concluiu a professora.

Comentários